- 00:00:00

Recuperação da Galeria dos Estados avança com rede elétrica modernizada

Com 78 lojas padronizadas, um novo elevador, a rede elétrica modernizada e um novo sistema de combate a incêndio, a recuperação da Galeria dos Estados segue dentro do cronograma de obras do Governo do Distrito Federal (GDF). Parte da passagem subterrânea que une o Setor Comercial Sul ao Setor Bancário Sul, sob o Eixo Rodoviário (Eixão), foi destruída com o desabamento do viaduto, em fevereiro de 2018, e começa a ganhar forma. Até o momento, cerca de 20% de todo o projeto – do qual também faz parte a área de comércio não afetado nem interrompido – já foram concluídos.
Foto: Renato Araújo / Agência Brasília
O espaço ganha, além de um projeto paisagístico, lojas de 18 metros quadrados que estão sendo reconstruídas, pisos de granito, revestimentos nas paredes e tetos. Também haverá cabeamento para internet nas lojas, banheiros públicos, circuito interno de segurança, iluminação de LED, impermeabilização do teto, acabamento e esquadrias.

Toda a rede elétrica e hidráulica será renovada e o complexo de todo o viaduto receberá um reforço estrutural. Tantas intervenções fazem com que o espaço esteja praticamente em reconstrução.

Nesta primeira etapa, prevista para terminar em até 30 de outubro, serão construídas 32 lojas. Até julho de 2020, prazo final de toda a obra, serão mais 46 lojas. O custo estimado de reconstrução e revitalização da Galeria dos Estados, na área central de Brasília, é de R$ 4.964.221,44.

“A renovação do espaço se faz necessária porque, além da padronização, os pilares da estrutura do viaduto ficam dentro do centro comercial”, explica o diretor de Edificações da Novacap, Francisco das Chagas.

Segurança
O projeto de arquitetura da Galeria dos Estados começou a ser elaborado pela antiga Diretoria de Obras Especiais, ainda no governo Agnelo (2011-2015). Foi aprovado pelo Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) em 20 de setembro de 2018. E, no dia seguinte, pela Administração Regional de Brasília.

Nos termos do plano original da galeria, não é permitida a instalação de encanamentos de gás de cozinha nem de botijões de GLP. Estabelecimentos comerciais que forem credenciados para servir refeições ou lanches só poderão fazê-lo por meio de equipamentos elétricos.

A medida preza pela segurança das milhares de pessoas que transitam diariamente pelo local e atende às regras dos Bombeiros sobre espaços de confinamento e pouca circulação direta de ar. Assim como em shopping centers e outros conglomerados comerciais, não haverá banheiro individualizado nas lojas.

Com informações da Agência Brasília