- 00:00:00

Papuda reabre padaria para ressocializar presos

Ela estava inativa havia cinco anos. Ibaneis Rocha ressalta que iniciativa dará dignidade à população carcerária. Produção será usada por rede de fast food

Em 2013, o governador Ibaneis Rocha visitou o Complexo da Papuda como presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF) e ficou, naquela ocasião, impressionado com a situação precária dos presos. Seis anos depois, agora na condição de chefe do Poder Executivo do Distrito Federal, ele retorna ao lugar para cumprir uma promessa: dar dignidade àquela população carcerária por meio de programas de ressocialização.

Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Na manhã desta terça-feira (17), Ibaneis participou da solenidade de reabertura da Oficina de Panificação no Complexo da Papuda. Por meio dela, 20 presos – capacitados por duas empresárias sócias da rede de restaurantes Giraffas -, começarão a trilhar o caminho de volta para o convívio social.

Eles vão utilizar a estrutura já existente (cuja gestão fracassou nos governos anteriores) da Penitenciária do Distrito Federal (PDF I). Ela é equipada com maquinário industrial capaz de produzir 80 mil pães por dia, que serão comercializados em lojas da própria rede de fast food. Em troca, terão a remissão da pena (um dia a cada três trabalhados).

G.C., 38 anos, está entre o grupo que foi selecionado para participar desse processo de ressocialização. Condenado a uma pena de 15 anos por homicídio, G. está empolgado com a nova profissão e agradece a oportunidade. “O que o detento precisa é disso. De uma oportunidade”, afirmou.

O convênio entre a Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap) com a empresa vai se estender pelos próximos meses. Nessa primeira leva, serão capacitados 40 detentos ao todo. Além da remissão de pena, eles receberão 70% do salário mínimo como pagamento.

Para o governador Ibaneis, a parceria é a melhor forma de a sociedade colaborar com a gestão de seu governo. “Aqui, na Papuda, temos 17,4 mil pessoas morando. O presidente Jair Bolsonaro encaminhou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) ao Congresso extinguindo municípios com menos cinco mil habitantes. Só que num município tem prefeito, juiz, secretários e uma câmara de vereadores para cuidarem. Aqui só tem o Adval Cardoso (subsecretário do Sistema Penitenciário) e a doutora Leila Cury (juíza da Vara de Execuções Penais)”, comentou ele.

“Então, imagine a dificuldade para se administrar um sistema desses. A dificuldade resulta nos números, que alertam: se não investirmos em ressocialização, vamos ter muitas reincidências”, reiterou Rocha.

A declaração do governador é endossada pelo secretário de Justiça e Cidadania, Gustavo Rocha: “Não adianta ter políticas de segurança pública sem pensar em ressocialização. Vão voltar num número cada vez maior”.

Segundo o secretário-executivo da Secretaria de Segurança Pública, Alessandro Moretti, 70% dos presos acabam reincidindo no crime. “Esse é um importante passo para a gente devolver essas pessoas à sociedade, e recuperadas”, destaca.